UGT contra diferença salarial entre homens e mulheres nos mesmos postos

A UGT defendeu esta terça-feira a igualdade salarial para homens e mulheres a desempenhar as mesmas tarefas sociais como indispensável para a justiça social. “A luta da igualdade de género deve ser uma luta nos campos de intervenção social e profissional, portanto não faz sentido que uma empresa pague menos a uma mulher do que a um homem por uma discriminação de sexo. Se fazem exatamente o mesmo trabalho, têm direito à mesma remuneração”, afirmou o secretário-geral da UGT, Carlos Silva.

“A igualdade de género continua a ser algo muito adjetivado, mas pouco implementado no país sobretudo ao nível dos cargos de chefia”, defendeu. Durante uma visita a uma fábrica de pequenos eletrodomésticos em Torres Vedras, promovida pela comissão das mulheres no âmbito do Dia Internacional da Mulher, o sindicalista sublinhou que a UGT “luta pela igualdade de direitos entre mulheres e homens, promovendo a ascensão de mulheres a cargos de responsabilidade, sem necessidade de impor cotas”.
Carlos Silva considerou a empresa que visitou, a Eugster Frismag, como um caso de “boas práticas”.
“É preciso promover o trabalho com direitos. Não basta às empresas dizerem que exportam e produzem riqueza, mas que dão condições às pessoas para trabalharem”, disse o secretário-geral no final da visita.
A fábrica da multinacional suíça emprega 650 trabalhadores, que chegam aos 740 nos picos de maior produção, dos quais 80% são mulheres e auferem de remunerações acima do salário mínimo. A empresa, que fabrica máquinas de café e tábuas de engomar para exportação, possui 550 trabalhadores nos seus quadros e 90 são temporários e estão a ser integrados na empresa de forma gradual(in Correio da Manhã)
Partilha este artigo na tua rede...Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email