UGT critica secundarização da concertação social e aponta reivindicações

A UGT Portugal expressa “a sua apreensão e o seu desagrado face à secundarização da concertação social, sobretudo na área do trabalho” e também no processo do salário mínimo, lê-se na resolução hoje aprovada, por unanimidade, na reunião do secretariado nacional da UGT.

Neste sentido, a central sindical defendeu que a concertação não pode ser o “repositório de discussões (audições) menores” ou estar sujeita à ordem de trabalhos que o Governo “lança na comunicação social”.

in (Noticiasaominuto)

Partilha este artigo na tua rede...Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someone